Domingo, 25 de Fevereiro de 2024 15:01
(94) 992310757
Cidades NOVO RECORDE

São Félix do Xingu segue líder em rebanho bovino no Brasil

Município do Pará possuía 2,5 milhões de cabeças em 2022, 1,1% do rebanho nacional

06/11/2023 12h42
17
Por: Gesiel Teixeira Fonte: Agência IBGE Notícias
São Félix do Xingu lidera o município com mais gados do Brasil | Reprodução
São Félix do Xingu lidera o município com mais gados do Brasil | Reprodução

Em 2022, o rebanho bovino cresceu pelo quarto ano consecutivo e alcançou novo recorde da série histórica, segundo a Pesquisa da Pecuária Municipal (PPM), divulgada nesta quinta-feira (21) pelo IBGE. O crescimento de 4,3% fez o número de cabeças chegar a 234,4 milhões.

Apesar de Mato Grosso liderar o ranking nacional, o município com maior rebanho fica em São Félix do Xingu, no sul do Pará. A cidade se manteve na liderança nacional, com rebanho 2.522.608 (dois milhões e quinhentos e vinte e dois mil e seiscentos e oito).

Ainda no Pará, em 4º lugar ficou Novo Repartimento, no sudeste paraense, com um rebanho de 1.300.411 (um milhão e trezentos mil e quatrocentos e onze) e em 5º lugar Marabá com 1.300.000 (um milhão e trezentos mil).

De acordo com a analista Mariana Oliveira, da Pesquisa da Pecuária Municipal (PPM), a produção de bovinos vem aumentando, desde 2019, devido aos bons preços da arroba e do bezerro vivo. “Houve um processo de retenção de fêmeas para reprodução, devido aos preços mais atrativos. Ainda temos em 2022, uma consequência desse comportamento iniciado no final de 2019. Mas a expectativa é de que a alta dos preços tenha se encerrado em 2022, quando observamos, também, aumento no abate de fêmeas”, aponta.

São Félix do Xingu segue líder em rebanho bovino no Brasil

Todos os efetivos animais apresentaram crescimento, à exceção de codornas (-8,2%). Os plantéis de bovinos e suínos aumentaram 4,3% cada um; o de bubalinos 3,0%; equinos, 0,9%; caprinos, 3,9%; ovinos, 4,7%; galináceos, 3,8%; e galinhas, 2,4%. Houve ainda recorde nas produções de mel, que cresceu 9,5%, e de ovos de galinha com alta de 1,3%.

“Com a demanda interna enfraquecida e poder de compra da população reduzido, a exportação de produtos pecuários, sobretudo as carnes, foi a alternativa adotada para o escoamento da produção. As exportações atingiram um recorde e a China consolidou-se como importante mercado para as carnes, seja ela de frangos, suínos ou bovinos”, analisa Mariana Oliveira.

VALOR DA PRODUÇÃO CRESCE 17,5%

O valor de produção de todos os produtos pecuários levantados na pesquisa, incluindo os da aquicultura, chegou a R$116,3 bilhões, significando um aumento de 17,5%. A produção de leite concentrou 68,8% deste valor, seguida pela produção de ovos de galinha (22,4%). No ranking municipal, considerando os seis principais produtos (leite, ovos de galinha, ovos de codorna, mel, lã e casulos de bicho-da-seda), Santa Maria de Jetibá (ES) apresentou o maior valor da produção, com R$ 1,6 bilhão, dos quais 95,0% são provenientes da venda de ovos de galinha, produto no qual lidera o ranking. Castro (PR) assumiu a segunda posição com R$ 1,2 bilhão, 98,7% proveniente da produção de leite. Bastos (SP) fecha o TOP3, sendo o segundo maior produtor nacional de ovos de galinha.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.