Quinta, 26 de Maio de 2022 04:10
(94) 992310757
Polícia JÁ FOI SOLTO

Acusado de matar jovem é solto duas horas depois de preso

O homem conhecido como "Tota" é acusado de matar Kaike Castro de 15 anos após uma discussão com o pai do rapaz. Preso, ele pagou fiança por porte ilegal de munição e não tem prisão decretada por esse crime

30/03/2022 17h55
259
Por: Gesiel Teixeira Fonte: Dinho Santos
"Tota" pagou a fiança por outro crime, e saiu andando da delegacia de Rio Maria no sul do Pará

O sentimento de que a justiça fora feita e que o culpado da morte do adolescente Kaike Castro, iria pagar pelo crime, durou poucas horas para os familiares do adolescente assassinado. A sensação de impunidade e de que não existe justiça, veio poucas horas depois do suspeito de prenome Aristóteles, conhecido pela alcunha de "Tota" ser liberado e sair pela porta da frente da Delegacia de Polícia Civil de Rio Maria, como se nada devesse a justiça e que não tivesse cometido um crime de assassinato. 

"Tota" é acusado de ter assassinado com um tiro de arma de fogo o adolescente Kaike Castro de 15 anos, após uma discussão com pai do adolescente em janeiro deste ano. O crime ocorreu na comunidade Vila Paraguaçu, área rural do município de Água Azul do Norte. 

De acordo com o delegado Luiz Alberto Almeida, lotado na Delegacia de Polícia Civil de Rio Maria, o mandado de prisão que existia em desfavor de “Tota” era temporário, sendo válido somente no período enquanto o inquérito estiver em curso. Como o inquérito já havia finalizado o mandado não tinha mais validade. 

Ainda de acordo com o delegado de Rio Maria, “Tota” foi preso na manhã da terça-feira (29), por posse ilegal de munição e foi liberado horas depois mediante o pagamento de fiança. Devido o homicídio ter acontecido no município de Água Azul do Norte, é de responsabilidade do delegado daquela cidade, solicitar a prisão preventiva do acusado. 

Acusado de assassinato

A grande indagação dos familiares da vítima, que colaboraram para a prisão do acusado na manhã de terça-feira (29), é por que o delegado que preside o inquérito policial não solicitou a prisão preventiva à justiça, já que existem provas e testemunhas que viram o acusado "Tota" disparar contra o adolescente. 

A reportagem tentou entrar com o delegado de Água Azul do Norte, para saber qual o motivo que o delegado que preside o inquérito policial não solicitou a prisão preventiva do acusado, mas fomos infirmados de que a Delegacia de Polícia Civil de Água do Norte, está sem delegado titular e que os casos que ocorrem na cidade estão sendo encaminhados para a Delegacia da cidade de Xinguara, distante a cerca de 70 quilômetros. 

A soltura de um suspeito acusado de homicídio, que foi preso e logo após sair pela porta da frente da delegacia teve uma grande repercussão, ocasionando um sentimento de impunidade e insegurança na região. 

A reportagem entrou em contato com o delegado José Carlos Rodrigues , chefe da Superintendência Regional do Alto Xingu, que disse que estava se informando do caso para saber se foi solicitada a prisão preventiva a Justiça e não foi acatada ou se o delegado que preside o inquérito policial não fez a solicitação da prisão preventiva já que o acusado fugiu da localidade após cometer o crime. (Dinho Santos)

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.