Quinta, 02 de Dezembro de 2021 11:06
(94) 992310757
Educação EDUCAÇÃO PREJUDICADA

Cortes federais prejudicarão universidades do Pará

Governo Bolsonaro retirou R$ 650 milhões em verbas de fundo para o desenvolvimento científico, o que afetará trabalho nas instituições, seja em trabalhos em andamento ou em futuros projetos de estudantes no Pará

16/11/2021 10h35 Atualizada há 2 semanas
184
Por: Gesiel Teixeira
A universidade federal de Xinguara será uma das prejudicadas
A universidade federal de Xinguara será uma das prejudicadas

Ocorte de 650 milhões nas verbas do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT) patrocinado pelo governo Bolsonaro mês passado resultou na redução de mais de 90% dos recursos para a pesquisa no país e atrasará ainda mais o desenvolvimento de regiões mais pobres como a amazônica. O fundo foi criado exclusivamente para financiar a ciência brasileira através de recursos arrecadados junto a empresas de tecnologia, mas foi contingenciado e utilizado para outras finalidades.

O governo encaminhou um projeto para a Câmara Federal para liberação dos recursos do fundo e, na última hora, o Ministério da Economia oficiou aos parlamentares pedindo que mudassem a destinação da verba da área da Ciência e Tecnologia para outras áreas.

Os recursos estavam destinados ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ) para apoiar projetos de pesquisas nas universidades e institutos federais. O corte atingirá diretamente o chamado Edital Universal do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico CNPq, pensado para dar um fôlego aos grupos de pesquisa que estão sem financiamento e que já tinham recebido projetos de milhares de pesquisadores.

O corte das verbas de pesquisa se junta a outros cortes que já ocorreram neste ano, como o destinado às universidades federais – que chegou a uma redução de 18,16%- , segundo levantamento da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes). “Agora o conselho ficou sem recurso para financiá-los. É mais uma iniciativa que inviabiliza o trabalho científico no Brasil. Milhares de projetos e pesquisas vão encerrar esse ano inviabilizados”, lamenta Emmanuel Tourinho, reitor da Universidade Federal do Pará (UFPA), terceira maior do país, com mais de 50 mil alunos distribuídos em 100 cursos de graduação e 145 cursos de Mestrado e Doutorado. A UFPA é considerada o maior centro de ciência da pan-amazônia e uma das maiores produtoras de ciência do país.

 

Por ser uma universidade nova, que completou recentemente 8 anos, a infraestrutura básica para a execução das pesquisas na Unifesspa ainda está em desenvolvimento. “Estruturamos laboratórios de pesquisa e também atividades de ensino e de extensão”, diz a diretora.

A dificuldade na fixação de recursos humanos qualificados na região Sul e Sudeste no Pará também preocupa diante de mais uma notícia de cortes para a pesquisa no Brasil. Segundo relatório do CNPq, na grande maioria dos estados da federação pesquisadores com doutorado estão concentrados nas capitais, a exemplo do estado do Pará em que 87% dos pesquisadores atuam na região de Belém. “O apoio para a realização de pesquisas na Unifesspa é muito importante para que ocorra fixação de doutores e a contribuição da universidade para o desenvolvimento sustentável do estado”.

A situação da universidade só não é mais grave, diz Anaiane, em razão do importante apoio que a instituição recebe da Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisa (Fapespa) e da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional (Sectet). “Mais de 50% das bolsas de apoio à pesquisa e a inovação que temos em 2021 para a graduação têm a Fapespa como agência financiadora. É uma parceria essencial também para as bolsas de Pós-Graduação dos 13 programas que temos atualmente. Diante dessas notícias, é fundamental fortalecer essas parcerias com o estado para que consigamos realizar projetos de pesquisa mesmo em um cenário tão desfavorável”, aponta.

A Unifesspa foi criada em 2013 a partir do desmembramento do campus de Marabá da UFPA. Hoje, a instituição oferta 42 cursos de graduação nos campi das cidades de Marabá, Rondon do Pará, Santana do Araguaia, São Félix do Xingu e Xinguara e desenvolve atividades em um polo em Canaã dos Carajás. Atualmente, existem 13 programas de pós-graduação stricto sensu (mestrado e doutorado). Na graduação, são 6.113 alunos matriculados e na pós-graduação cerca de 430

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Xinguara - PA
Atualizado às 09h51 - Fonte: Climatempo
26°
Pancada de chuva

Mín. 21° Máx. 28°

27° Sensação
11.8 km/h Vento
61.9% Umidade do ar
80% (14mm) Chance de chuva
Amanhã (03/12)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 21° Máx. 29°

Sol com muitas nuvens e chuva
Sábado (04/12)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 21° Máx. 31°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Mais lidas
Anúncio
Anúncio