Reprodução

Sérgio Moro precisou deixar o parlamento na noite desta terça-feira (2) escoltado e sob gritos de “fujão” e “ladrão”.

O atual ministro da Justiça e Segurança Pública, que durante quase 8 horas foi sabatinado na Câmara dos Deputados, abandonou o local após ser chamado de “ladrão” pelo parlamentar Glauber Braga (Psol-RJ).

A fala de Glauber Braga causou revolta de parlamentares bolsonaristas, que reagiram aos gritos. Um dos mais exaltados, o paraense Éder Mauro (PSD) chegou a partir para cima de Braga, mas foi separado pelo petista Paulo Teixeira (SP).

A mesa da presidência da audiência, comandada pela deputada Marcivania Flexa (PCdoB-AP), foi cercada por alguns deputados que exigiam o encerramento da sessão. O deputado Bibo Nunes (PSL-RS) disse que a parlamentar não tinha “pulso” para contornar a confusão.

A deputada Marcivana Flexa encerrou a sessão após Moro deixar a audiência escoltado por seguranças. Enquanto se retirava, deputados da oposição gritavam “fujão”.

O ministro da Justiça e Segurança Pública foi ouvido ao longo do dia por parlamentares de quatro comissões: de Constituição e Justiça; de Trabalho; de Direitos Humanos; e de Fiscalização Financeira e Controle. Moro manteve a estratégia de não reconhecer a autenticidade dos diálogos com acusadores de Lula, mas também não negar que seja o autor das mensagens, afirmando que não vê “nada de ilegal” nas conversas reveladas pelo site Intercept. O clima foi tenso durante vários momentos da sabatina, culminando na confusão final.

http://www.xinguaraativa.com.br/wp-content/uploads/2019/07/Artigo-Destaque_00528872_00.jpghttp://www.xinguaraativa.com.br/wp-content/uploads/2019/07/Artigo-Destaque_00528872_00-150x150.jpgGesiel TeixeiraBrasilPolíticaMoro abandona sabatina com deputados após ser chamado de "juiz ladrão"Sérgio Moro precisou deixar o parlamento na noite desta terça-feira (2) escoltado e sob gritos de “fujão” e “ladrão”. O atual ministro da Justiça e Segurança Pública, que durante quase 8 horas foi sabatinado na Câmara dos Deputados, abandonou o local após ser chamado de “ladrão” pelo parlamentar Glauber Braga...Notícia com Responsabilidade e Transparência